French
Portuguese

Primeiro domingo da Quaresma - do Padre Paterne Mombe, SJ

Um chamado para crescer em nossa identidade de filhos de Deus

Com a Quarta-feira de Cinzas, demos início à nossa caminhada de 40 dias do tempo da Quaresma. Uma caminhada de conversão durante a qual somos chamados a um compromisso especial por buscar a renovação e pelo aperfeiçoamento da nossa relação com Deus (oração), connosco mesmos (jejum) e com os outros (caridade). Uma caminhada espiritual durante a qual somos chamados a reafirmar a nossa identidade de filhos de Deus e de autênticos discípulos de Cristo.

Neste 1º Domingo do tempo da Quaresma, o evangelho coloca perante nós o modelo a seguir nesta caminhada espiritual. Conta-nos que Jesus, antes de dar início à sua missão, foi conduzido pelo Espírito Santo ao deserto onde passou 40 dias orando e jejuando, tal como Moisés e Elias no Antigo Testamento. Um tempo de retiro para estar de coração a coração com Deus, o qual culminou num momento de tentação. A tripla tentação fala-nos da nossa própria experiência de vulnerabilidade, querendo impor os nossos caminhos e modos a Deus, ou cuidando das realidades da nossa vida de acordo com a nossa própria forma de ver e não a de Deus.

Esta tentação não está menos no cerne da experiência dos nossos irmãos e irmãs atormentados pelo HIV e pela SIDA, ou por qualquer outra condição difícil, como a pobreza (imposta). Lembro-me de ter recebido, pouco depois de ter assumido o cargo de diretor da AJAN, a visita de um amigo que vive com o HIV. Acabara de passar por uma experiência que o deixara chocado e desanimado. Tinha seguido as milhares de pessoas da África Oriental e de mais além que vivem com o HIV e que esperavam encontrar uma cura milagrosa; viajou, por isso, até Loliondo (Tanzânia), onde se dizia haver um pastor com poderes especiais que curava o HIV com orações e decocção.

O preparado feito de plantas, cuja fórmula só o pastor conhecia, era administrado todas as manhãs em pequenas quantidades. Após dias de espera na fila, o meu amigo chegou pacientemente até ao pastor e recebeu a sua porção da bebida terapêutica. Correu depois para fazer uma análise ao HIV para descobrir que continuava a ser seropositivo. De facto, há muitos dos nossos irmãos e irmãs que anseiam por uma cura milagrosa e que vão ter com “homens de Deus” que os incitam a abandonar as suas terapias, considerando-as como sinal de falta de fé, optando antes pelo jejum e orações para serem curados. Não obstante, para lá deste anseio, há também a ambição de escapar ao pesado fardo do estigma e da discriminação, bem como da injustiça privação dos tratamentos e serviços de que necessitam para o seu bem-estar.

Acima de tudo, por meio do seu exemplo, Jesus coloca diante de nós o caminho a seguir neste tempo da Quaresma: crescer na nossa identidade de filhos de Deus, fazendo da vontade de Deus o pão nosso de cada dia e vivendo em total confiança, sabendo que ele escuta e responde ao clamor dos seus filhos. Ele estará com os seus filhos nos seus momentos de aflição para os salvar. Se isto significa para nós uma mensagem de esperança, é também um convite a respondermos ao apelo a aperfeiçoar a nossa relação com os outros. É um apelo a sermos a presença amorosa e dedicada de Deus nas vidas dos nossos irmãos e irmãs em dificuldade. Talvez para as pessoas que vivem com o HIV não exista melhor cura do que os ouvidos atentos à sua súplica, uma presença amorosa e dedicada que os inclui e defende a sua dignidade. Que o Senhor nos conceda um frutuoso tempo da Quaresma.

Padre Paterne Mombe, SJ de Bangui, República Centro-Africana é ex-diretor da AJAN